A concentração da riqueza anda ao lado da luta por terras na história do Brasil desde a instituição da Lei de Terras de 1850. No cenário de conflitos sociais, a história de fugas, resistências e lutas de negros, indígenas e trabalhadores camponeses formou as raízes culturais, sociais, econômicas e políticas do povo brasileiro. Organizações populares como as Ligas Camponesas foram perseguidas e reprimidas fortemente antes mesmo da ditadura militar, ficando praticamente neutralizadas quando o país viveu o golpe de Estado em 1964. Por serem sujeitos políticos não reconhecidos, camponeses mortos e desaparecidos neste período acabaram excluídos dos direitos da Justiça de Transição.

A Comissão Nacional da Verdade e a Comissão Camponesa da Verdade revelam parte deste capítulo da história do país que não se restringiu apenas àquele período. A modernização conservadora no campo e a ganância agroexportadora acirraram os conflitos agrários, a violência no campo e os dados de homicídios de trabalhadores rurais. É fundamental falar sobre a violência no campo para que não se esqueça e para que nunca mais aconteça.