Audálio Dantas

Um dos jornalistas mais importantes de sua geração, tendo passado pelos principais veículos de comunicação do país, Audálio Dantas presidiu o Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo, entre 1975 e 1978. Nesse período, conduziu os protestos pelo assassinato do jornalista Vladimir Herzog, que ocorreu  nas dependências do DOI- Codi de São Paulo.

Em seguida, foi eleito deputado federal pelo Movimento Democrático Brasileiro (MDB). Em 1981, recebeu na ONU um prêmio por sua atuação em defesa dos direitos humanos. Em 2012, lançou o livro “As duas guerras de Vlado Herzog”, no qual destaca a participação do sindicato no episódio da morte de Herzog, que foi um divisor de águas no enfrentamento à ditadura pela sociedade civil.

Links

frases

  • “A Segunda Guerra de Vlado Herzog’ é um livro que eu estava devendo havia 37 anos. O caso já foi esmiuçado de vários ângulos, houve até filme a respeito, mas estava faltando colocar em destaque a atuação do Sindicato dos Jornalistas naquela ocasião. A resistência, o culto ecumênico na Catedral da Sé, toda a reação à morte do Herzog foi um desafio à ditadura, um divisor de águas no processo de liquidação do autoritarismo, e o nosso sindicato teve participação importante em tudo isso.”

    “O primeiro desafio foi comigo mesmo. Fiquei em dúvida durante trinta anos. De vez em quando pensava: ‘Tenho que escrever esse livro’. Mas ao mesmo tempo encontrava uma barreira dentro de mim que se caracterizava, sobretudo, pelo aspecto emotivo. Reviver aqueles dias significava quase uma sessão prolongada de psicanálise. Fora isso, havia a preocupação em relação aos fatos, aos nomes, circunstâncias, datas. No calor dos acontecimentos, não anotei nada, então teria que: ou recorrer à memória, ou buscar informações em fontes as mais diversas, inclusive do próprio Sindicato dos Jornalistas de São Paulo. Mas o fato é que desde o início minha motivação para escrevê-lo era mostrar a intensidade da tensão que se passou durante aqueles dias que precederam e sucederam o assassinato do Vlado Herzog.”

Biografias
da
resistência