Sobre o projeto

Portal MEMÓRIAS DA DITADURA

Conhecer o passado para entender o presente e construir o futuro

O projeto do portal Memórias da Ditadura é uma realização do Vlado Educação – Instituto Vladimir Herzog, que responde à demanda da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República de criação de um portal com o objetivo de divulgar a História do Brasil no período de 1964 à 1985 junto ao grande público, em especial à população jovem.

A  construção de um portal para difundir em larga escala conteúdos sobre esse período é um compromisso para com as novas gerações, reunindo informações de relevância para uma aproximação inicial, porém abrangente e consistente, a partir de conteúdos apresentados em várias mídias, que possam comunicar a complexidade e a intensidade dos fatos ocorridos durante a ditadura militar no Brasil do ponto de vista político, social e cultural, na perspectiva dos direitos humanos e da memória e verdade.

Embora exista muito material sobre a ditadura militar que marcou o Brasil durante 21 anos, é importante um portal  de referência, que reúna conteúdos relevantes e que organize o que já existe em diferentes mídias, com o objetivo de comunicar os acontecimentos do período da forma mais completa possível, numa linguagem acessível a quem não os conhece.

A proposta é que o portal Memórias da Ditadura ofereça conteúdos interativos, multimídia, estabelecendo sempre relações com os dias de hoje e que possam ser acessados em qualquer computador, tablet ou celular, cada vez mais comuns entre os jovens de todas as camadas sociais. É um site também preocupado com acessibilidade e foi construído de acordo com todas as normas internacionais da W3C.

Para atingir esse objetivo, o Vlado Educação – Instituto Vladimir Herzog constituiu uma equipe de dezenas de profissionais da área de jornalismo, educação e comunicação, assim como consultores especialistas nas temáticas abordadas, que produziram os conteúdos das diferentes áreas do portal.

Dessa forma, o portal Memórias da Ditadura apresenta a todas as escolas e interessados um extenso e diversificado material sobre esse período sombrio da História do Brasil.

 

Objetivos

– Constituir um espaço de referência na web sobre a História da ditadura no Brasil, de 1964 a 1985, por ter informações confiáveis, abrangentes, numa linguagem dinâmica, além de fazer a ponte com outras produções de qualidade.

– Fazer chegar essa História aos jovens que ainda não conhecem o período para que possam também compreender os reflexos da ditadura nos dias de hoje, em especial no que se refere às violações dos direitos humanos.

– Disponibilizar conteúdos sobre o período de forma nova, instigante, envolvente, abordando fatos históricos no campo da política institucional, dos movimentos sociais, dos direitos humanos, da arte e da cultura, situando o contexto internacional e especialmente da América Latina.

– Criar um espaço de interação entre professores da Educação Básica e educadores de forma geral sobre as possibilidades de  trabalho com esse período de nossa História.

 

Justificativa

O Brasil, signatário da Declaração de 1948, tem historicamente assumido o respeito aos direitos humanos por meio de ações e atitudes políticas. Na última década houve avanços importantes na legislação que criaram novas perspectivas de implementação de uma cultura de direitos humanos no país e, em especial, nos sistemas educacionais.

No âmbito federal, entre outras iniciativas, tivemos a criação da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, que desenvolve uma série de atividades que respondem às demandas de diferentes segmentos da sociedade e, nesse sentido, investiu na formação da Comissão Nacional da Verdade para a recuperação da memória e da verdade. Foram elaborados o Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos (2007) e as Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos do Conselho Nacional de Educação, homologadas em 2012. Todas essas iniciativas estão compromissadas com a formação política e a afirmação dos valores intrínsecos aos direitos humanos, e também destacam como fundamental para a formação das novas gerações a perspectiva histórica das violações dos direitos da pessoa humana e das lutas que foram travadas para sua conquista.

Ganhou força também no Plano Nacional de Direitos Humanos (PNDH-3), de 2009, o direito à memória e à verdade que está cada vez mais em pauta em função dos 50 anos do golpe civil-militar, das apurações dos crimes da ditadura pela Comissão Nacional da Verdade, da Caravana da Anistia e de outras iniciativas afins. Esse tema tornou-se atual e está possibilitando que informações e análises circulem pela grande mídia, internet e redes sociais.

Apesar de todas essas iniciativas, podemos dizer que, em geral, os educadores não têm tido orientações e nem a necessária formação para colocar em prática a educação “para”, “sobre” e “em” direitos humanos. Também os educadores carecem de recursos para trabalhar com o período do regime militar no Brasil de forma que os alunos não só aprendam os fatos históricos, mas que se envolvam com o contexto político, social e cultural da época e possam estabelecer relações com o que está acontecendo neste momento em nosso país. Para isso, falta não só apoio para professores e educadores em geral, mas também a garantia de acesso pelos estudantes a material de qualidade e rico em informações textuais e imagéticas. Com esse compromisso, é criado o portal Memórias da Ditadura.

 

Características técnicas

Dezenas de profissionais contribuíram para a produção deste portal. São mais de mil itens (posts), com centenas de imagens, centenas de vídeos e mais de 1 milhão de caracteres. O portal comporta três sites interligados: o principal, um site de linha do tempo da ditadura e um site de mapas.

A tecnologia utilizada foi o código aberto WordPress. No caso do site de mapas, especialmente, trata-se de uma adaptação de um código de geolocalização desenvolvido totalmente no Brasil (JEO).

O licenciamento é em creative commons zero international, o que significa que, salvo quando indicação contrária, todo o conteúdo está em domínio público.