Televisão

Se o rádio foi o meio de comunicação estratégico da ditadura de Getúlio Vargas, a televisão foi o do regime militar. Por meio dela, o governo queria “integrar” o Brasil, veiculando para todos os rincões do país seus valores e realizações. Mas a TV nos anos 1970 foi além dessas expectativas conservadoras. Foi também o veículo em que artistas e autores de oposição veicularam obras de contestação à ditadura.

A consolidação da TV no país

Diferentemente do rádio, a televisão ainda estava longe de ser um veículo de massa no Brasil dos anos 1960. Porém, com diversos investimentos do regime militar e de grupos estrangeiros, esse meio de comunicação cresceu vertiginosamente e se consolidou no país.

Os militares tinham interesse numa rede que abrangesse o país. Em nome da “integração nacional”, foi criado o sistema Embratel, com o objetivo de fornecer infraestrutura de comunicação. O chamado “milagre econômico” era propagado através do telejornalismo, que nasceu como porta-voz do regime. Por meio da TV, grandes obras foram anunciadas.

Para compreender o que era a televisão nos anos da ditadura, é importante conhecer a sua programação: os seriados norte-americanos como Bonanza, Bat Masterson, Jeannie é um Gênio, além de filmes, tinham grande audiência. Havia grande destaque para os programas musicais, como O Fino da Bossa, os festivais da canção e o programa Jovem Guarda. Também para os programas de variedades, com entrevistas, números musicais e debates, e para os programas de auditório, comandados por comunicadores de grande carisma popular, como Chacrinha e Silvio Santos.

A telenovela diária começou a se consolidar em meados dos anos 1960, seguindo scripts de novelas radiofônicas. Um exemplo é Direito de Nascer, exibida pela TV Tupi em 1964. Mas foi na década de 1970 que a novela diária se firmou como grande gênero televisual.

A telenovela da Rede Globo, por exemplo, foi renovada graças a muitos autores de esquerda, que tentavam desenvolver a linguagem do melodrama a partir de temas mais conectados aos problemas nacionais (luta pela terra, conflitos e desigualdades sociais). Autores como Dias Gomes elaboraram uma linguagem mais realista e mais sofisticada, utilizando-se do humor.

Nos anos de chumbo, a crítica ao governo era raríssima na televisão, pois a censura oficial e a autocensura das emissoras era rigorosa. Na contramão do jornalismo apolítico, estava a TV Cultura, que se tornou um modelo de TV pública de alta qualidade, na teledramaturgia e no telejornalismo, mas sofreu um duro golpe com a prisão e a morte de Vladimir Herzog. A emissora mostrava em seus telejornais vários problemas que as outras não mostravam, como a seca do nordeste e a miséria.

A televisão se estabeleceu profissionalmente como o principal meio de comunicação de massa do Brasil durante os anos do regime militar. Os investimentos na área foram visíveis quando houve a primeira transmissão via satélite, com a chegada do homem à Lua, e a modernização trazida pela TV a cores. Mais do que tudo, a televisão talvez tenha sido a mais poderosa experiência social dos anos 1970 e 1980, mistura paradoxal de alienação e realidade.

Referências - para saber mais

Links:

História da TV brasileira

Vozes da democracia: Histórias da comunicação na redemocratização do Brasil (livro para download)

 

Bibliografia:

BARBOSA, Florinda e RITO, Lúcia. Quem não se comunica se trumbica. Rio de Janeiro: Editora Globo, 1996.

BUCCI, Eugênio (org.). A TV aos 50. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2000.

Dicionário da TV Globo: programas de dramaturgia & entretenimento. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2003.

HERZ, Daniel. A história secreta da Rede Globo. Porto Alegre: Tchê, 1986.

LEAL FILHO, Laurindo Leal. “A televisão pública brasileira, um vazio histórico”. In: XVI Encontro Compós. Curitiba: junho de 2007.

MACEDO, Cláudia; FALCÃO, Angela; ALMEIDA, Candido José Mendes. TV ao Vivo: Depoimentos. Rio de Janeiro: Brasiliense, 1988.

Memória Globo. Jornal Nacional: A notícia faz a história. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2004.

PORTO, Mauro. Televisão e política no Brasil: a Rede Globo e as interpretações da audiência. Rio de Janeiro: E-Papers, 2007.

RIBEIRO, Renato Janine. O afeto autoritário: televisão, ética e democracia. Cotia: Ateliê Editorial, 2005.

RIBEIRO, Ana Paula Goulart; SACRAMENTO, Igor; ROXO, Marco. História da Televisão no Brasil: do início aos dias de hoje. São Paulo: Editora Contexto, 2010.

SAMPAIO, Mario Ferraz. História do rádio e da televisão no Brasil e no mundo. Rio de Janeiro: Editora Achiame, 1984.

SQUENAZI, Rose. No túnel do tempo, um memória afetiva da TV brasileira. Porto Alegre: Artes e Ofícios Editora, 1993.